Compassos

Por muito tempo caminhou sozinho pelas ruas da cidade; seja qual fosse a cidade, seja qual fosse o bairro da cidade, o importante é que caminhava, pois quando o fazia, estava na verdade, andando pelas trilhas de sua mente, onde cada pensamento marcava a distância percorrida e cada reflexão o colocava mais próximo de seu destino, que era na verdade o ponto de partida, ele mesmo.

Logo concluiu que não haveria um fim para sua caminhada, pois as rotas sofriam mudanças constantemente, e muitas vezes se via passando por lugares já conhecidos, mas sempre com uma percepção diferente, pois o caminho percorrido anteriormente havia mudado algumas de suas ideias e ideais, e portanto, refazer a mesma rota se tornava uma experiência totalmente nova. Ao tentar abrir uma trilha, era necessário um certo cuidado, por não saber o que haveria pela frente, também era preciso coragem e confiança para continuar andando, pois o medo gerado pela dúvida poderia fazer com que ele voltasse atrás, para a segurança de uma trilha já demarcada.

Era estranho começar uma caminhada sem enxergar seu objetivo, sem saber se haveria ou não um ponto final, mas tudo se encaixava assim que dava o primeiro passo; o fato de não haver um término bem definido perdia a importância, as expectativas cessavam, e tudo que sobrava era a trilha abaixo dos pés e o movimento ritmado dos passos ao longo do caminho. O que estava a sua volta se tornava um pano de fundo para seu caminhar, um caminhar para dentro, o caminhar mais difícil que já experimentou; e cada coisa que avistava, cada som, cheiro ou sensação que colidia com seus sentidos, despertava uma parte de sua memória, que então, lhe fornecia um tema para guiar seus pensamentos. E assim, continuava a sua trilha, carregado pelos ventos de uma reflexão e outra, percorrendo espaços cada vez maiores e indo cada vez mais adiante; até que subitamente despertava de seu transe e era preenchido pela razão, olhava ao redor e via que estava cercado por imagens de algum outro canto da cidade, e então começava a percorrer o caminho de volta, desta vez mais atento ao ambiente do que aos seus pensamentos.

Geralmente o regresso era acompanhado de um novo sentimento, nascido durante a caminhada, e ele gostava de prestar atenção à novidade, gostava de perceber que algo havia mudado, sem poder explicar com palavras o que exatamente havia mudado, mas também não via a necessidade de explicar nada a ninguém, então apenas retornava feliz para casa.

[Vitor Uemura]

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram