Chave e Fechadura

A chave precisa de uma fechadura
Não há utilidade em ter a chave sem ter o que abrir, e o mesmo ocorre no caso contrário, quando há o que abrir mas não se possui a chave.
As vezes a gente sabe muito bem o que quer, e encontra dificuldades em alcançar ou completar isso por não termos as habilidades, conhecimentos ou os recursos necessários para tal. E tem vezes que a gente sabe que tem um monte de habilidades e aspetos favoráveis, mas não encontramos uma maneira de aplica-los por não sabermos o que desejamos.

[ devaneios]

Na minha opinião o segundo caso é mais preocupante... Acredito que estar perdido em relação ao que desejo reflete uma desconexão comigo mesmo e minhas vontades. Muitas vezes me pego sem rumo, sem saber ao certo onde colocar minhas energias. Outras tantas vezes me vejo mudar de rumo constantemente, como se não conseguisse me manter de uma mesma forma por bastante tempo, como se meus interesses estivessem em constante mudança. E esse tem sido o pano de fundo da minha existência.
Me aconchego nas palavras de Bernardo Soares, que no Livro do Desassossego disse o seguinte:

“E assim sou, fútil e sensível, capaz de impulsos violentos e absorventes, maus e bons, nobres e vis, mas nunca de um sentimento que subsista, nunca de um emoção que continue, e entre para a substância da alma. Tudo em mim é a tendência para ser a seguir outra coisa; uma impaciência da alma consigo mesma, como com uma criança inoportuna; um desassossego sempre crescente e sempre igual. Tudo me interessa e nada me prende.”

Não sei se é bom ou se é ruim ser assim, não sei se existe essa coisa de bom ou ruim quando o assunto é esse. Acho que pode ser ruim caso eu me sinta mal em relação a esse assunto, o que de fato ocorre. Mas pode ser que eu me sinta mal em relação a isso pelo simples fato de eu ter sido criado em uma sociedade que vê isso como um problema, uma sociedade em que não ter um objetivo de vida claro e bem definido é  tido como algo ruim. Então, por estar fora do contexto social "padrão" eu acabo me sentindo mal por achar que estou ou sou "errado".
As vezes penso que, ao ficar constantemente preocupado com ideias sobre carreira, destino, objetivo de vida, eu acabo esquecendo de fazer o mais básico, que é simplesmente viver e sentir o que a vida traz e para onde ela conduz. Simplesmente viver quer dizer me entregar ao que está acontecendo, sentir o que estou sentindo e lidar com as adversidades de maneira real, com o que tenho e com o que sei. Muitas vezes fico sem saber o que fazer porque não estou prestando atenção ao que estou sentindo, porque estou com a cabeça cheia de pensamentos sobre o que devo fazer.

Me preocupar com o que quero fazer é deixar de sentir o que quero fazer.

Pode ser que essa coisa toda do objetivo de vida, da carreira, destino, propósito... Talvez isso tudo seja apenas uma ilusão com a qual a mente me tira do momento presente, porque ao  me preocupar com isso, ao pensar sobre isso, já não estou mais em mim mesmo, já não estou mais sentindo o que está se passando, já estou desligado de minhas sensações. Ao focar nessas questões deixo de sentir o caminho que a vida coloca em minha frente, pois fico cego para ele. Se penso que tenho que encontrar um propósito, é porque não estou vivendo o propósito e acredito que deva haver um propósito. Se simplesmente vivo, e acredito que seja esse o propósito (simplesmente viver), não há o que procurar e nem o que ser encontrado.
Deixo o link para um poema que escrevi faz um tempo e que exprime um pouco das ideias aqui presentes.

[Vitor Uemura]

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram