Símbolos da desigualdade

Outro dia ví um daqueles carros caríssimos passando pela rua, e a maioria das pessoas parava o que estava fazendo para admirar a máquina. De fato é uma construção muito bonita, executada com maestria, não tenha dúvida. Comecei a divagar sobre isso e fui vendo que não só os carrões atraem o nosso olhar, nós também costumamos admirar casas grandes, joias, roupas caras, e muitos e muitos outros objetos que são considerados artigos de luxo. Acredito que muita dessa admiração vem de forma inconsciente, por fazermos parte de uma cultura que predominantemente valoriza o acumulo de capital. Admiramos mas nem sabemos o porquê.


Tenho tentado praticar um outro olhar para esse tipo de objeto. Vejo-os como símbolos da desigualdade econômica e social que vivemos pois são frutos dela. Artigos de luxo existem para estabelecer posição social, para destacar a pessoa que os tem e separá-la da multidão. Se ficasse claro o quanto de morte, sangue, injustiça, miséria, fome e  exploração estão atreladas à esses objetos, eu duvido que eles continuariam sendo admirados e desejados. Mas todas essas coisas ficam encobertas de alguma forma, como uma venda sobre nossos olhos que nos impede de vê-las.


Cabe a nós fazermos esse exercício diário para tentar mudar nossa visão sobre o que é importante na vida. Acredito que por sermos seres sociais, essa visão do que é importante está intimamente ligada ao grupo social ao qual fazemos parte, está ligada às pessoas ao nosso redor, ao bairro por onde andamos e à tudo que nos cerca. Mas existe também uma porção mais concreta dela, menos variável, uma fagulha interna que parte de nossas almas e nos diz o que é importante no âmbito espiritual. É nessa luz que precisamos focar.

[Vitor Uemura]

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram